Plotter de impressão recria pôsteres clássicos

By | February 3, 2015
plotter

A tecnologia da plotter é capaz de criar imagens maravilhosas de artistas, filmes e muito mais

A decoração se torna muito mais fácil com um pôster, criado na plotter de impressão, de um tema que a gente gosta. Quem é fã de música e tem na faixa dos trinta anos vai se lembrar de revistas-pôster e de brindes em publicações de música, sobretudo rock e heavy metal que decoravam as paredes de jovens adolescentes com cabelos compridos.

“Muitos da minha geração experimentaram isso. Muitas vezes a gente comprava a revista somente pelo pôster para decorar o quarto. E pensar que aquela e qualquer outra imagem pode ser recriada em uma plotter de impressão, é como ter um ticket de viagem no tempo”, comenta Fábio Andrés Rodrigues, relações públicas de trinta e um anos, e que daquela época mantem o mesmo gosto musical, só fez questão de cortar o cabelo.

Na década de 1990, as próprias revistas eram criadas em impressoras plotter, e depois recortadas no formato ideal, e faziam muito sucesso com os fãs. “Eu adorava a Rock Brigade e a Metalhead. A primeira, eu coleciono até hoje. A edição atual é com o Dream Theater, e só para não perder o costume, ela vem com um pôster do Guns ‘N Roses. Comprei minha primeira edição em 1996, quando o Metallica lançou o Reload”, relembra o psicólogo André B. da Cunha, também acima dos trinta anos.

“Mas confesso que os pôsteres criados na plotter hoje têm uma qualidade superior. E um tamanho que era inimaginável para nós época. Outra coisa legal é que as lojas já os vendem emoldurados. Se torna um quadro, uma peça de decoração requintada. Muito melhor que as minhas fotos tamanho A3 coladas com fita dupla face”, brinca o psicólogo.

Os pôsteres impressos pela plotter são vendidos em sites especializados e lojas de decoração, cultura, e claro, na galeria do rock, no centro de São Paulo. “Toda que vez acesso o site allposters.com já imagino a minha conta bancária e a parede ficando menores. Há de tudo, personagens de histórias em quadrinhos e videogames, cartazes de filmes e séries, réplicas de obras de arte dos mais famosos pintores da história, fotos marcantes, capas de revistas e a minha categoria preferida: música”, diz o professor de língua portuguesa Luiz A. Vidal, fã sobretudo de bandas dos anos 1970, como Pink Floyd e Black Sabbath. “Temos de respeitar os clássicos. O mais incrível é que tudo é feito on demand através da plotter de impressão conforme os pedidos, com várias opções de molduras e películas de proteção diferentes”, ele completa.

“Não era fácil ser nerd na nossa adolescência, não havia muito material promocional daquilo que a gente gostava. Ou se tinha era importado e estava disponível a preços exorbitantes. Pelo menos hoje, com a plotter de impressão e uma abertura de mercado, podemos ir à forra e dar asas aos nossos pequenos prazeres de colecionador”, finaliza o relações públicas Fábio.